Empreiteira de luxo paga para morador deixar favela vizinha em SP

Folha de São Paulo
LAURA CAPRIGLIONE
DE SÃO PAULO

A JHSF é dona dos empreendimentos mais estrelados da zona sul de São Paulo, como Shopping Cidade Jardim, com suas luxuosas torres residenciais, além das três de escritórios, comercializadas a R$ 15 milhões o andar de 560 metros quadrados. A JHSF está comprando barracos de uma favela vizinha.

JHSF diz que foi procurada por moradores

A dona de casa A., 57, moradora há oito anos na comunidade Jardim Panorama (zona oeste), tem certeza de que ganhou na loteria. A JHFS ofereceu-lhe R$ 60 mil para que ela saísse da casa de quatro cômodos de alvenaria e com revestimentos cerâmicos, construída sobre a calçada da rua Francisco Rebolo.

“Nem terreno ela tinha. Ocupava área pública da rua”, explicou o advogado Marcos Endo, representante dos moradores. Em quase toda a extensão, a rua sofreu um estreitamento, tantas foram as casas construídas de um lado e de outro dela, invadindo o meio fio.

Com o dinheiro da venda, A. comprou, agora com escritura passada, uma casa no Jardim São Luís, distrito popular da zona sul.

O objetivo da JHSF é retirar todas as moradias precárias que estão instaladas em uma área de 20 mil metros quadrados que adquiriu na vizinhança dos empreendimentos que já tem no bairro. E lá implantar novos projetos –a empresa diz, por enquanto, que só pode garantir que não haverá novas torres.

O método de “requalificação da área” (como chamam certos urbanistas) é simples. Os moradores recebem uma avaliação da sua casa. Depende da área construída e do material usado (madeira, blocos, com revestimento ou não). Quem topa, deve se dirigir até os escritórios da Companhia Habitacional Jardim Panorama.

Na verdade, a Companhia Habitacional é outro nome da própria JHSF; e os escritórios são vagas de garagem de um dos prédios, limitadas por toldos brancos. Entra-se pela porta de serviço do edifício.

Uma vez fechado o negócio, recebe-se um cheque. A casa condenada é pichada com cruzes vermelhas. O morador retira seus bens e o barraco é deletado. Em poucos minutos, uma mini-retroescavadeira derruba o imóvel e lança os escombros em uma caçamba de lixo.

Calcula-se que as casas de 120 famílias estejam na mira dos compradores da JHFS. Inclusive as que ocupam área da rua, da praça municipal e da viela para escoamento de águas pluviais –todas coalhadas de barracos que ficam a poucos metros das torres de escritórios (os varais de roupas, as crianças andando de carrinho de rolimã e subindo nas árvores, os cachos de banana estão ao alcance da visão dos executivos).

Marcos, 20, já vendeu o andar de cima de seu barraco. Faturou R$ 12 mil. Mas ele diz que só sairá dos cômodos inferiores se embolsar mais R$ 50 mil. Em volta, todos os casebres já foram derrubados. “Se eles não pagarem não saio. Aí, para isso aqui voltar a virar favela, é um minuto.”

Por cima das casas localizadas na rua Francisco Rebolo, vêem-se barracos recém-construídos. Moradores dizem que eles apareceram há uma semana. “Teve muito incêndio de favela na cidade. Tem muita gente precisando de casa e aqui ainda tem espaço”, afirma Domingos, 68, há 55 anos morador do Jardim Panorama.

Como impedir a reconstrução das casas derrubadas e a chegada de mais pobres ao terreno? O executivo da JHFS é lacônico: para isso existem muros, cercas e seguranças.

Colaborou Lalo de Almeida

Tags: , , , ,

Leave a Reply