Posts Tagged ‘Camargo Corrêa’

Camargo tem sucesso e oferta por CCDI movimenta R$190,4 mi

terça-feira, outubro 9th, 2012

A Camargo Corrêa está pagando 5,52 reais por ação da CCDI

REUTERS
São Paulo - A Camargo Corrêa foi bem-sucedida em sua oferta nesta terça-feira para tirar a controlada Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário (CCDI) da Bovespa, com adesão de cerca de 90 por cento dos acionistas minoritários.

O giro financeiro do leilão de compra das ações da CCDI foi de 190,4 milhões de reais, e envolveu 34,49 milhões de papéis, segundo informações da bolsa paulista. A Camargo Corrêa está pagando 5,52 reais por ação da CCDI.

A Camargo Corrêa anunciou em março que faria uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) pelas ações da CCDI, que atua no ramo de construção civil, informando que pagaria 4,70 reais por papel, mas o valor foi elevado.

No mês passado, a Camargo Corrêa –que já tinha participação de cerca de 66 por cento na CCDI– afirmou que a OPA representaria “uma oportunidade de liquidez” aos minoritários da CCDI, já que as ações tinham, historicamente, liquidez reduzida em bolsa.

Às 16h33, a ação da CCDI era cotada 5,50 reais, com queda de 0,36 por cento, com volume financeiro de quase 1,3 milhão de reais. O papel não faz parte do Ibovespa, que tinha baixa de 0,52 por cento.

A CCDI fez sua estreia na Bovespa em janeiro de 2007, com uma oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) primária e secundária de cerca de 600 milhões de reais.

Camargo Corrêa vai fechar o capital da CCDI, seu braço imobiliário

segunda-feira, março 19th, 2012

Por Chiara Quintão e Ana Paula Ragazzi | De São Paulo
Autor(es): alor Econômico - 19/03/2012

O grupo Camargo Corrêa quer fechar o capital da CCDI, seu braço de desenvolvimento imobiliário listado na bolsa, pagando aos acionistas minoritários um preço inferior ao valor patrimonial da companhia. Após o fechamento do pregão na sexta-feira, o controlador anunciou uma oferta pública de aquisição (OPA) para comprar 33,9% das ações da CCDI que estão no mercado a R$ 4,70 cada uma. Esse valor equivale 91% do valor patrimonial por ação da empresa, que é de R$ 5,18.

A CCDI chegou à bolsa em janeiro de 2007, avaliada em R$ 1,16 bilhão. Seus resultados têm decepcionado os investidores. A empresa está avaliada atualmente na bolsa em R$ 478,9 milhões, quase 59% menos do que na estreia e abaixo do patrimônio líquido, de R$ 584,7 milhões. O valor patrimonial (ativos menos dívidas), ou contábil, costuma ficar abaixo do valor de mercado, que inclui a expectativa de ganhos futuros da companhia.

No pregão de sexta-feira, antes do anúncio, as ações da CCDI tiveram um giro atípico, de R$ 1,443 milhão, ou três vezes mais do que a média diária deste ano. Os papéis subiram 5,74% para R$ 4,24. Em relação ao fechamento de sexta-feira, o prêmio ofertado pelo controlador é de 10,85%.

No comunicado, a Camargo Correa informou que se a OPA não tiver adesão suficiente para o cancelamento de registro de companhia aberta da CCDI, esta deverá sair do Novo Mercado. Repete, neste ponto, a mensagem do ItaúUnibanco para fechar o capital da Redecard. O banco lançou a oferta quando a ação da operadora de cartões estava na máxima histórica e acrescentou prêmio de 10%. O banco está sendo questionado por alguns investidores pelo discurso de que poderá esvaziar o negócio da Redecard se o fechamento não for aprovado. O caso da CCDI também poderá dar margem a questionamentos dos minoritários.

Ao valor proposto, a operação custará à controladora perto de R$ 180 milhões. Ano passado, a empresa teve prejuízo líquido de R$ 192,8 milhões, ante lucro líquido de R$ 93,8 milhões em 2010. O Ebitda ficou negativo em R$ 121 milhões em 2011. A empresa fez atualizações de orçamento, com impacto de R$ 171,8 milhões no resultado. Informou que os desvios de orçamento ocorreram no segmento tradicional, ou seja, fora da produção para a baixa renda ou das grandes lajes corporativas. Outra revisão havia ocorrido no segundo trimestre de 2011.

Para um executivo do setor, a operação de fechamento de capital da CCDI não deve ser seguida por outras empresas. “A CCDI é muito pequena, com ativo muito barato em bolsa e controlada por um grupo bem rico”, diz. Outro executivo diz que a operação não era esperada, mas faz sentido. “Os resultados da CCDI não são os melhores, a empresa não estava indo a lugar nenhum. Existe o custo de ter uma empresa aberta e, para o acionista controlador da CCDI, não há nenhum benefício.”

Em assembleia geral, a ser convocada, os acionistas da CCDI vão votar sobre a contratação da empresa que vai elaborar o laudo de avaliação para definir o valor econômico das ações, a partir de lista tríplice apresentada pelo conselho de administração. Caso o preço definido pelo laudo de avaliação seja maior que o máximo de R$ 4,70, a Camargo Corrêa pode optar por não fazer a OPA. Se o valor definido for menor, a opção será por esse preço e não pelos R$ 4,70.

Camargo Corrêa vende 1,18 bilhão de reais em imóveis em 2010

quarta-feira, janeiro 19th, 2011

Os lançamentos aumentaram 160% no ano , segundo os dados da empresa
Beatriz Olivon, de EXAME.com

O valor alcança 103% da base do guidance

São Paulo - As vendas contratadas do último trimestre de 2010 da Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário (CCDI) alcançaram 328,2 milhões de reais. No acumulado do ano as vendas contratadas atingiram 1,179 bilhão de reais, representando um aumento de 75,3% em relação a 2009.

O aumento das vendas contratadas em 2010, deve-se, principalmente, ao aumento de 160% no numero de lançamentos ao longo do ano (10 empreendimentos em 2009 e 26 em 2010, com um total de 8.157 unidades), segundo a empresa.

A empresa atingiu 1,391 bilhão de reais em lançamentos em 2010. O valor está 152,5% acima dos lançamentos em 2009 e alcança 103% da base do guidance. No último trimestre, os lançamentos alcançaram 535,5 milhões de reais e superaram os valores registrados em cada um dos demais trimestres do ano.

Os lançamentos da HM Engenharia, segmento de baixa renda da CCDI, aumentaram 220,8% em 2010, representando 44,6% no total da CCDI, encostando na base do guidance de participação da HM Engenharia (45% a 55%).

Velocidade de vendas

A velocidade de vendas (VSO) foi de 53,2% no ano, representando um aumento de 9,6 pp em relação a 2009. No último trimestre, a VSO foi de 20,2%, menor em 5,3 pontos percentuais em relação ao terceiro trimestre de 2010 e 0,5 ponto percentual superior ao número apresentado no último trimestre de 2009 (19,7%).

A VSO exclusiva da HM Engenharia foi de 13,7% no último trimestre de 2010 contra 18,7% no terceiro trimestre e 45,4% no último trimestre de 2009. A empresa ressaltou que o volume total de lançamentos da HM em 2010 aumentou 220,8% em relação a 2009.

Em 2010 foram entregues um total de 2.373 unidades representando 682,8 milhões de reais, distribuídos em 13 empreendimentos. Desse total, a HM Engenharia representou 1.723 unidades, seis projetos e 129,0 milhões de reais.

Vendas contratadas

Dos 535,5 milhões de reais lançados no último trimestre de 2010, 12,3% foram comercializados no mesmo período. As vendas de unidades em estoque representaram 79,9% (262,3 milhões de reais) das vendas contratadas totais. As vendas de estoque representaram 24,1% do estoque de 1, 086 bilhão de reais ao final do terceiro trimestre de 2010.

Em termos de segmento de mercado, as vendas contratadas do último trimestre de 2010 foram maiores nos segmentos de alta e altíssima renda (46,5%), devido aos lançamentos realizados nestes segmentos nos últimos meses. Os outros 53,5% foram distribuídos em todos os segmentos de mercado em que a CCDI atua. A analise por localização, indica que as vendas de unidades no estado de São Paulo foram responsáveis por 95,8% das vendas contratadas totais.

Banco de terrenos

Durante o quarto trimestre de 2010 a CCDI não adquiriu novos terrenos. Desta forma, o atual banco de terrenos da companhia passou a ser de 8,5 bilhões de reais em VGV para futuro desenvolvimento. Deste montante; 1,7 bilhão de reais refere-se a terrenos exclusivos da HM Engenharia. Do VGV potencial do Landbank da CCDI, 69,0% estão direcionados a projetos com preço unitário ate 500 mil reais (nova faixa-teto do FGTS) e que 73,5% localizam-se em São Paulo (capital e região metropolitana).

No quarto trimestre de 2010, a CCDI e a HM Engenharia lançaram 535,5 milhões de reais em VGV. Os terrenos referentes a esses empreendimentos estavam registrados no banco de terrenos no valor de 482,0 milhões de reais. Além disso, a CCDI elaborou um novo estudo de viabilidade de três terrenos com VGV potencial de 182,0 milhões de reais, que resultou na recomendação de transferência dos terrenos para HM Engenharia, que desenvolverá empreendimentos de baixa renda com VGV de 94 milhões de reais.

Lançamentos econômicos e médio padrão

O segmento de baixa renda/econômico representou 56,3% ou 301,7 milhões de reais do total dos lançamentos do último trimestre de 2010 e 44,6% ou 620,6 milhões de reais no ano. Esse segmento é executado pela HM Engenharia dentro do Programa Minha Casa, Minha Vida.

No último trimestre de 2010 a CCDI lançou 233,8 milhões de reais referentes a quatro empreendimentos, sendo todos de médio padrão. No período a empresa decidiu cancelar o lançamento do empreendimento Vista Atlântico realizado em maio do mesmo ano e localizado na cidade de Vila Velha-ES. O empreendimento tinha valor geral de vendas (VGV) estimado de 115 milhões de reais (parte CCDI) e um total de 240 unidades. O cancelamento foi motivado pela baixa performance de vendas.