Posts Tagged ‘descontos’

Imóveis em liquidação

quarta-feira, dezembro 5th, 2012

Por Sérgio Tauhata | De São Paulo
Valor Econômico - 05/12/2012

Se há bolha ou não, o fato é que nenhum estouro ocorreu até agora. Os preços dos imóveis continuam a subir, embora em ritmo mais compatível com o da inflação. Mas, mesmo nesse cenário ainda ligeiramente aquecido, os consumidores conseguem comprar um apartamento ou uma casa nova com até 30% de desconto. Contradição? Nada disso. Tampouco se trata do início de uma queda generalizada. A freada na forte valorização ocorrida nos últimos anos é que fez vir à tona novamente os “saldões” e as vendas promocionais.

Hoje, além das liquidações pontuais, os descontos do setor assumem formas variadas. Entre as mais recentes estão os chamados “outlets” imobiliários, que funcionam de modo semelhante aos clubes de compras on-line. Os portais exibem por um tempo determinado, em geral até 60 dias, lançamentos com preços em média 5% a 10% menores, mas que podem chegar a ficar até 30% abaixo da tabela.

A mágica do preço menor passa pelo estoque das incorporadoras. Unidades não vendidas ou devolvidas geram custo, como condomínio, impostos e taxas, para as companhias. Por isso, as empresas, em geral, oferecem bons descontos para repassar o mais rápido possível essas casas, apartamentos ou escritórios. Esse encalhe dos lançamentos fornece a matéria-prima dos outlets. Do outro lado, para as incorporadoras, os portais se tornam vitrines das promoções, uma espécie de saldão mais discreto do estoque de imóveis.

Existem no país quatro serviços desse tipo, quase todos abertos há poucos meses, com exceção do PromoImoveis, lançado em 2011. RealtOn e Homes4Less surgiram neste ano, enquanto o ImoveisOutlet foi anunciado, mas ainda não está no ar. “Temos parceria com dez incorporadoras, que acharam uma excelente ideia para fazer com que o estoque delas baixasse”, afirma o sócio-fundador da Homes4Less, José Luis Ribas. No modelo de negócios, a remuneração vem da comissão, entre 4% e 6% sobre o valor das vendas. As ferramentas virtuais oferecem imóveis de quase todas as faixas de preços, de R$ 200 mil a R$ 4 milhões. No entanto, a maior busca tem sido por propriedades entre R$ 500 mil e R$ 1 milhão. “A maior parte do meu público tem buscado imóveis acima de R$ 500 mil. Mas, cada vez mais, estou com busca por casas e apartamentos acima de R$ 1 milhão”, diz Ribas.

Os descontos, porém, não são uniformes. Os mais agressivos são raros e os negócios, em geral, fechados com preços até 10% menores. O comerciante Baltazar Lisboa, de 42 anos, tem frequentado assiduamente os outlets imobiliários, mas ainda não encontrou a oferta dos seus sonhos. “Achei muito interessante os serviços. Mas tem de garimpar para encontrar uma ótima oportunidade. Para mim, o ideal seria ganhar 20%. Não tenho pressa. Vou continuar procurando”, afirma.

Melhor sorte teve o empresário Antonio Scagtino, 38 anos, que encontrou, por meio de um outlet virtual, uma oportunidade. “Já estava procurando há três meses um imóvel na faixa de 60 a 80 metros quadrados. Até que finalmente achei na RealtOn um apartamento que já tinha visitado antes, mas com 25% de desconto.”

O empresário adquiriu a propriedade de dois quartos e uma suíte no Panamby, na zona Sul de São Paulo, para locação. Scatigno já pensa em outras aquisições. “Tenho interesse de comprar outros imóveis para investimento. Tem lugares que vão valorizar ainda, como bairros mais afastados”, avalia.

O CEO da RealtOn, Rogério Santos, vê os investidores como principal público dos serviços virtuais. “Hoje, 60% dos nossos clientes são pessoas que procuram bons negócios para investir.” Segundo o executivo, a média dos descontos conseguidos é de 15%. Os preços mais baixos têm sido um chamariz eficiente: com menos de um ano de funcionamento, o serviço já efetuou 400 vendas pelo site e por telefone, de acordo com dados da empresa.

Os preços muito baixos, no entanto, podem esconder características às vezes indesejadas. “Coberturas, uma localização na face sul, no primeiro andar. São unidades mais difíceis de comercializar e tendem a ganhar descontos maiores”, explica Ribas, da Homes4Less.

Os melhores preços dependem da localização, do perfil do imóvel, do tempo em que a unidade está em estoque e da forma de pagamento - quem tem dinheiro para pagar à vista consegue mais vantagens. Propriedades de alto padrão, como apartamentos de quatro ou mais dormitórios, são apontados pelos especialistas como aqueles com maior potencial de atingir preços mais baixos.

Se o objetivo é investimento, não basta conseguir um bom desconto na compra. É necessário analisar se o imóvel tem um potencial de valorização capaz de dar um retorno atraente ao investidor. Como em todo investimento, não basta comprar “barato”. É preciso conseguir vender “caro” para ter um bom lucro.

Fim de ano pode ser boa época para comprar imóvel

terça-feira, novembro 27th, 2012

Construtoras podem oferecer descontos ou melhores condições para baixar estoques e fechar bem o ano; mas encarar promoções exige cuidados

Priscila Yazbek, de Exame.com

Oportunidades podem valer se comprador já queria comprar um imóvel

São Paulo – Este final de ano pode ser um bom momento para quem já vinha procurando imóveis. Além da desaceleração da alta dos preços no mercado imobiliário, algumas construtoras oferecem descontos ou melhores condições de negociação neste período, de olho no maior poder de compra dos consumidores, que recebem o 13º salário, e na redução dos estoques para alcançar um bom fechamento anual.

Como a adoção de uma estratégia mais agressiva de vendas depende da condição de cada construtora, e não apenas do fator sazonal, a orientação é aproveitar boas oportunidades se a intenção já era comprar um imóvel, mas não encarar o momento como uma chance única de conseguir bons preços na compra do imóvel.

Segundo especialistas, o cenário é propício para que algumas oportunidades surjam principalmente entre as construtoras que possuem capital aberto, uma vez que, com as ações negociadas em Bolsa, elas precisam alcançar certas metas e mostrar bons resultados aos acionistas nos balanços trimestrais.

Para isso, algumas delas buscam oferecer promoções para reduzir seus estoques e aumentar o fluxo de caixa. “Algumas empresas fazem promoções ostensivamente, anunciam descontos, mas outras acabam apenas oferecendo melhores condições nos plantões de vendas”, explica o professor titular de real estate da Escola Politécnica da USP, João da Rocha Lima. Algumas boas ofertas, como ele acrescenta, podem não estar estampadas em anúncios, mas sim aparecer durante o momento da transação ou da negociação.

Luiz Fernando Gambi, diretor de comercialização e marketing do Secovi-SP, complementa que muitas empresas acabam trabalhando seus descontos de forma mais “banal”, sem grandes alardes. “Muitas empresas, quando querem incentivar as vendas, comunicam aos seus canais de venda que estão flexibilizando sua tabela de desconto. Elas avisam aos vendedores que se antes eles poderiam dar descontos de 2%, agora podem trabalhar com 3%”, diz.

Marcelo Dzik, diretor de incorporação da construtora Even, afirma que o final de ano é um momento em que a construtora busca aproveitar a maior disponibilidade de renda dos consumidores por causa do décimo terceiro e também a maior intenção de compra de algumas pessoas que pretendiam comprar seu imóvel em 2012, mas ainda não o fizeram. Mas, ele explica que as oportunidades são muito mais condicionadas à necessidade de desovar unidades em estoque em um determinado momento, ou ao tipo de produto oferecido do que ao encerramento do ano.

Para encontrar maiores descontos nesta época, uma dica dos especialistas é partir do comprador a oferta de melhores opções de pagamento. Oferecer uma entrada maior, por exemplo, é algo que pode gerar descontos durante o ano todo, mas no final do ano a oferta pode surtir ainda mais efeito se a construtora estiver em busca de melhores resultados antes do ano acabar.

Bom momento do mercado

Além destes fatores que podem facilitar a compra no final de ano, a desaceleração na alta dos preços dos imóveis nos últimos meses também vem favorecendo a comercialização. No mês de outubro, a alta dos preços de imóveis medida pelo índice FipeZap foi a menor desde o início da série histórica em setembro de 2010. Nas regiões pesquisadas, que incluem sete capitais e o Distrito Federal, os preços subiram apenas 0,80% em média de setembro para outubro.

O professor da Politécnica da USP explica que o mercado esteve trabalhando até o primeiro semestre de 2011 com preços crescentes e agora a tendência é de acomodação. “No primeiro semestre de 2011 avaliamos que havia uma gordura especulativa nos preços. De lá para cá, os preços vêm se acomodando para baixo e eu considero que estejam adequados neste momento”, diz.

O diretor de marketing do Secovi avalia que o mercado imobiliário está entrando em uma fase melhor para os compradores. “Ainda estamos com um crescimento acima da inflação, mas a explosão que estava acontecendo nos preços está diminuindo e entra em uma parte da curva mais favorável”. Segundo ele, a partir de agora quem está procurando imóveis pode começar a encontrar melhores negócios, e a situação pode melhorar ainda mais no ano que vem.

Cuidados

Ainda que todos os fatores levantados indiquem que os compradores podem se beneficiar neste final de ano, é importante que a decisão da compra seja planejada. Grandes “saldões”, descontos, brindes e vendas diretas com as construtoras são jogadas de marketing que podem ser muito bem-vindas, mas não devem ser o fator norteador da compra.

Conforme Rocha Lima explica, a compra de um imóvel, em muitos casos, representa o gasto mais alto da família, por isso é preciso ter cautela. “Um imóvel não é uma mercadoria que você entra na loja e compra. É uma decisão lenta, que exige reflexão, exige um olhar de 20 anos para frente e, em um horizonte mais curto de tempo, exige um olhar sobre a estabilidade do emprego e a capacidade de pagamento”.

As eventuais promoções de final do ano e as valorizações mais modestas, portanto, não devem acelerar a compra. O processo costuma ser demorado e durar cerca de seis a sete meses, segundo o professor da Politécnica. Por isso, fechar o negócio em um mês apenas pela motivação da promoção pode não ser uma boa decisão.

Gambi também acrescenta que de fato algumas empresas, para demonstrar aos acionistas resultados, reforçam as vendas em períodos de mudança de trimestre, mas mesmo assim elas não são capazes de oferecer descontos tão altos. “Elas podem estar dispostas a abrir mão de um pequeno lucro, mas olhando os balanços das empresas de capital aberto, a maior parte das incorporadoras têm margem de lucro de 11%, 12%. Então, se elas oferecerem 12% de desconto, elas não ganham nada”, afirma.

Portanto, segundo o diretor do Secovi, muitas vezes descontos superiores a 12% podem ser impraticáveis e sinalizar que o imóvel tem algum tipo de problema que tem impedido sua venda.

Pechincha imobiliária

sexta-feira, maio 11th, 2012

Isto é Dinheiro - online
Outlet de imóveis comercializa estoque de grandes incorporadoras com descontos de até 30%

Por Geovana Pagel

Imóveis novos prontos ou semiprontos, com valores de R$ 300 mil a R$ 4 milhões, com descontos que variam de 5% a 30%. É o que promete a RealtON, outlet de imóveis que mantém parceria com as maiores incorporadoras do Brasil - como Tecnisa e Queiroz Galvão - e criou um site para divulgar e comercializar as ofertas.

O empresário Rogério Santos, que acumula mais de 25 anos de experiência no segmento de imóveis, diz que a ideia de criar uma ponta de estoque de imóveis surgiu após ter acompanhado todos os movimentos marcantes do mercado imobiliário, principalmente entre 2006 e 2007, quando mais de 20 companhias abriram capital e se viram forçadas a aumentar significativamente o número de lançamentos e, posteriormente, de estoque.

“Estima-se que hoje as companhias abertas acumulem um estoque superior a R$ 35 bilhões”, afirma Santos, que divide a sociedade da empresa com Marcelo Lima, um dos controladores do fundo do Private Equity Artesia. “A necessidade de caixa que surgiu após todos os lançamentos incentivou as empresas a tornar seus estoques mais líquidos, daí o surgimento da RealtON”, avalia.

A empresa não revela os valores investidos, mas Santos garante que ela começou bem. Em apenas dois meses de operação, o site registrou aproximadamente 960 mil acessos e mais de 62 mil pessoas foram cadastradas.

A dentista Ana Carolina Garcia Machado, 38 anos, é uma dessas clientes e acaba de encontrar o imóvel que procurava há cerca de um ano, com um desconto de R$ 77 mil. “Eu já conhecia o empreendimento, mas não consegui comprar na época do lançamento. O desconto oferecido foi tentador”, afirma. O imóvel de alto padrão no bairro do Brooklin custava R$ 876 mil e foi comprado por R$ 799 mil.

A apresentação dos produtos é via internet, mas uma equipe de hosts da RealtON também recebe clientes no escritório. Como é uma outlet, existem poucas unidades de cada empreendimento e há casos em que o imóvel “desaparece” da carteira em menos de duas horas. Alguns apartamentos são vendidos antes mesmo de serem anunciados no site.

Expansão

Apesar de ainda dar os primeiros passos em São Paulo, a RealtON pretende atuar em Estados como Rio de Janeiro, Goiás, Amazonas, Bahia e Paraná e também no Exterior. Estados Unidos e Rússia estão entre os mercados-alvo da companhia. No entanto, segundo Santos, a empresa só deve operar em outros países após a maturação do conceito no Brasil.

Construtoras oferecem descontos em imóveis em SP

segunda-feira, março 19th, 2012

Even e Camargo Corrêa fazem promoções no fim de semana de 17 e 18 de março
Julia Wiltgen, de Exame.com

São Paulo – Outras construtoras se juntaram à Rossi, nesta semana, e resolveram conceder descontos nos preços de alguns de seus imóveis. A Even promove, neste domingo (18), o Even Day, com descontos de até 36% em mais de 1.000 imóveis residenciais e salas comerciais na capital paulista e na Grande São Paulo.

São unidades prontas ou em lançamento, localizadas em todas as regiões da capital e em cidades vizinhas. Há imóveis em bairros como Alto da Lapa, Vila Madalena, Brooklin, Moema, Jardim Anália Franco e Santana, na capital, bem como unidades em Santo André, São Bernardo do Campo e Guarulhos. Os interessados devem comparecer à sede da Even na cidade de São Paulo, na Rua Hungria, 1.400, 2º andar – Pinheiros, entre as 7h e 23 horas. No site da promoção Even Day é possível ver mais detalhes sobre os empreendimentos.

A Camargo Corrêa também vai fazer promoção semelhante neste sábado (17), concedendo descontos de até 150.000 reais em imóveis residenciais. São poucas unidades oferecidas, porém. No site da construtora é possível conhecer os imóveis, localizados nos bairros de Aclimação e Jardim Sul, na capital paulista, e na cidade de Taboão da Serra. Interessados devem comparecer a um estande de vendas da Camargo Corrêa.

CCDI comemora 15 anos e promove campanha com oferta de imóveis com descontos de até 20%

sexta-feira, junho 17th, 2011

Portal Fator Brasil

A Campanha Dia C vai ofertar preços mais atrativos em 31 empreendimentos residenciais nas cidades de São Paulo, Santos, Niterói, Macaé, Campo de Goytacazes e Curitiba

Em comemoração aos seus 15 anos de atuação, a Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário (CCDI) irá premiar o cliente. Em 18 de junho (sábado), 31 imóveis, com um total de 107 unidades, estarão à venda com descontos que chegam a até 20% sobre o preço final. A Campanha Dia C acontecerá nas cidades de São Paulo, Santos, Rio de Janeiro, Niterói, Macaé, Campo de Goytacazes e Curitiba.

Mais de mil corretores e 14 imobiliárias das cidades participantes estarão empenhados para proporcionar o dia da Compra, da Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário – referência ao “Dia C”. Promotores também circularão nas principais ruas dessas regiões com uma mochila banner para divulgar a data e entrarão em alguns estabelecimentos para entregar o material da campanha com uma chave de verdade e uma tag com a frase “Nunca esteve tão perto delas. Aproveite o Dia C”.

Os imóveis estão localizados nas melhores regiões de São Paulo, Paraná e Rio de Janeiro, com valores a partir de R$ 200.000,00. “Nestes 15 anos de história, a CCDI sempre priorizou a satisfação do cliente. Nada melhor para comemorar esta data do que oferecer imóveis com a qualidade e sofisticação da CCDI por um preço ainda mais acessível”, explica Francisco Sciarotta, diretor superintendente da CCDI.

A Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário, empresa de incorporação e construção imobiliária do Grupo Camargo Corrêa, atua da baixa renda até os segmentos mais sofisticados de mercado, desenvolvendo empreendimentos residenciais e comerciais em várias regiões do Brasil. Desde 2008 é controladora integral da HM Engenharia, empresa com mais de 100 mil unidades incorporadas e construídas em 30 anos de experiência, com foco exclusivo para o segmento de baixa renda. A CCDI é responsável pelo desenvolvimento de projetos de destaque no segmento imobiliário brasileiro de lajes corporativas de padrão “AAA” e de produtos residenciais/comerciais, presente em São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e Minas Gerais. O Banco de terrenos para futuros desenvolvimentos soma R$8,6 bilhões. A companhia é listada da BM&F Bovespa (CCIM3).